bebe-livro
Segundo a Psicóloga Luciana, o ambiente escolar é o primeiro ambiente socializador fora do circulo familiar, neste ambiente a criança irá presenciar novas possibilidades de aprendizagem, estará vivenciando pela primeira vez como é conviver em sociedade, neste ela estará inserida com as primeiras regras do local, deverá aprender a respeitar seus lideres e será conduzido a respeitar os horários para cada atividade, como horário de entrada, brincar, lanchar, descansar e ir para casa, todos estes precedidos de regras e limites pré estabelecidos entre professora e criança.
No ambiente escolar as crianças também aprendem a lidar com a diferença entre as pessoas, possibilitando respeitar a outro, pois cada criança irá demonstrar sua cultura e costumes, ampliando a habilidade relacional, integrando e fortalecendo o amor ao próximo, fortalecendo uma convivência positiva, crescendo e aprendendo a respeitar as diferenças e qualidades de cada um.
O ambiente deve ser acolhedor, seguro e estar preparado com uma equipe de profissionais capacitados para trabalhar com as crianças, fortalecendo as relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio, possibilitando assim o sucesso dos objetivos educativos.
De acordo com a teoria de Jean Piaget, o desenvolvimento intelectual é considerado entre: o cognitivo e o afetivo. Paralelo ao desenvolvimento cognitivo está o desenvolvimento afetivo. Afeto inclui sentimentos, interesses, desejos, tendências, valores e emoções em geral.
Piaget foi um dos grandes estudiosos da Psicologia do Desenvolvimento; dedicou-se exclusivamente ao estudo do desenvolvimento cognitivo, quer dizer, à gênese da inteligência e da lógica. Ele concluiu pela existência de quatro estágios ou fases do desenvolvimento da 3 inteligência. Em cada estágio há um estilo característico através do qual a criança constrói seu conhecimento.

Vejamos:

  • Primeiro estágio I Sensório motor (ou prático) 0 – 2 anos: Trabalho mental: Estabelecer relações entre as ações e as modificações;  manipulação do mundo por meio da ação. Ao final, constância/permanência do objeto.
  • Segundo estágio Î Pré-operatório (ou intuitivo) 2 – 6 anos: Desenvolvimento da capacidade simbólica (símbolos mentais: imagens e palavras que representam objetos ausentes); explosão lingüística; características do pensamento (egocentrismo, intuição, variância); pensamento dependente das ações externas.
  • Terceiro estágio Î Operatório-concreto – 7 – 11 anos: Capacidade de ação interna: operação. Reversibilidade/invariância – conservação (quantidade, constância, peso, volume); descentração/capacidade de seriação/capacidade de classificação.
  • Quarto estágio Î Operacional-formal (abstrato) – 11 anos: A operação se realiza através da linguagem (conceitos). O raciocínio é hipotético-dedutivo (levantamento de hipóteses; realização de deduções).Quanto à afetividade, o psicanalista Sigmund Freud afirmava que os dados fornecidos pela psicanálise têm conseqüências importantes para a compreensão das relações inter-humanas, principalmente ao mostrar que o objeto de relação é um objeto individual construído pelo mundo interno fantástico (de fantasia) variando com nossos investimentos e em função de nossa história e de nossos estados afetivos (apud GOLSE, 1998).

Assim, para que a criança tenha um desenvolvimento saudável e adequado dentro do ambiente escolar, e conseqüentemente no social, é necessário que haja um estabelecimento de relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio, possibilitando assim o sucesso dos objetivos educativos.